IN AETERNUM Joy Division – A Busca afetiva por Uma Imagem

Muito já foi dito e escrito sobre a banda de Manchester. O que muitas vezes é lembrado não é exatamente sobre as canções e seus músicos, e sim sobre o suicídio de seu vocalista – Ian Curtis. Claro que o fato em si acarretou no fim das atividades do Joy Division, mas as músicas ora soturnas ora energéticas, são influências diretas pra várias bandas que surgiram ao redor do mundo após o fim do quarteto.

 

E baseado nisso tudo Arlindo Gonçalves pincela cada etapa, não só da existência da banda, mas também da própria; sobretudo sua adolescência e pós- adolescência. O autor nos leva, com suas palavras, a conhecer e nos tornarmos quase íntimos de sua família e amigos, tamanha é a clareza e riqueza de detalhes.

 

E em ‘In Aeternum’ ele cita com clareza e exatidão momentos mágicos dos músicos do Joy Division, além de explanar sobre as canções e discos, principalmente do segundo disco deles, ‘Closer’, que é realmente uma das maiores obras primas da cultura mundial.

 

Entre tantas publicações ao redor do mundo sobre a banda de Manchester é ótimo saber que temos no Brasil um grande escritor, pesquisador e conhecedor da obra do quarteto inglês, que com seu livro ora de memórias, ora de valiosas informações sobre a banda,
leva o leitor a sentir e descobrir a importância cada vez maior não só do disco ‘Closer’, mas de todas as suas canções e discografia. E uma das coisas mais preciosas dessa publicação é que além de ela vir num luxuoso box, contém um segundo livro – ‘Staglieno’ – com, ao mesmo tempo, belos e lúgubres registros da fotógrafa e esposa de Arlindo, Luciana Fátima, em sua visita ao cemitério italiano.

 

*Resenha enviada por Rodrigo Lee  (músico, produtor cultural e pesquisador de todas as vertentes do Rock n’ Roll)

Comentarios está fechado.